28 3 / 2014

Do mordomo. Fim do texto.

Não, gente, pára. O Alfred é ótimo. A culpa não é dele. A culpa nem sempre é do mordomo. Nem da Senhorita Rosa, nem do Coronel Mostarda. A culpa é sua. Sim, sua, de você mesmo que está lendo esse texto. Mas a culpa de quê? De tudo que acontece na sua vida. Sim. A culpa é sua.

Muitas pessoas se fazem de vítima colocando fatores externos como responsáveis pelas merdas que acontecem. Na verdade, os fatores são mais internos do que O.B. em período menstrual. A culpa é sua porque você é um idiota que pratica diariamente a auto-sabotagem.

Masoq é a auto-sabotagem, Mari? Auto-sabotagem (nada de alta sabotagem nem baixa sabotagem, é auto mesmo. Mesma situação do “auto-estima” que é uma coisa bem diferente de alta ou baixa estima. Aprenda isso logo ou vá embora desse mundo depressa.) é um lance onde você se fode de propósito porque não acredita que mereça conquistar algo. 

"AAAAAAAAAAAH MAS POR QUE ALGUÉM FARIA ISSO? EU NUNCA VOU FAZER ISSO COMIGO, SERIA MUITO ESTÚPIDO!" Sim, é bastante estúpido e sim, você faz isso. Logo, você tem atitudes muito estúpidas (o que não deve ser novidade, mas vamos prosseguir). 

Sabe aquele relacionamento lindo e maravilhoso com o homem de seus sonhos que, por algum motivo misterioso você terminou sem motivo algum? Então. Já parou para pensar que você terminou o seu namoro por simplesmente achar que não merece estar em um relacionamento bacana?

Você tem o amor que merece ter. Vi isso em algum lugar, acho que foi em “As Vantagens de ser Invisível”, um filminho muito bacana que, acredite, tem algo a mais do que a Hermione sensualizando. 

Sabe aquele emprego com o qual você sempre sonhou e se dá super bem, mas, por alguma razão inexplicável, começa a cagar em cima de tudo que conseguiu e depois bota a culpa no estagiário? Ou então, já interrompeu algum projeto profissional que tinha tudo pra dar certo por motivo nenhum? Então. Já parou para pensar que você fez isso porque simplesmente não se acha capacitada ou talentosa o suficiente para estar lá?

Pois é, você faz isso. Com mais frequência do que imagina. E não tem nada pior do que excesso de piedade própria. Esse vitimismo tosco que você começa a usar para se fazer de coitadinho estragado pelo destino. Muitas das vezes isso foi auto-sabotagem. Mas na maior parte mesmo você foi apenas incompetente, preguiçoso e chorão voutelevariéé

Ó. Aí. Já tá fazendo isso de novo. Pare de mimimi e comece a correr atrás das suas coisas sem que seja necessário todo mundo sentir pena de você e PARE DE GOSTAR DE SER UM COITADINHO. Ninguém gosta de coitadinhos e você nunca vai conseguir nada na vida desse jeito. 

Pare de querer ser um derrotado apenas para que todo mundo te dê atenção e te diga o quanto “você merece mais do que isso”. Adivinha só: as pessoas estão dizendo isso apenas para você parar de derramar catarro na calça nova delas enquanto chora as lamúrias da vida. 

A culpa de todas as merdas que acontecem na sua vida é sua. A culpa do seu sofrimento e vitimização excessiva é apenas sua. Se você se fudeu no trabalho, a culpa é sua. Se sua cidade está fudida, a culpa é sua. Se vai ter Copa, a culpa é sua. Se você tomou pau no vestibular, a culpa é sua. Dizer que a culpa não é sua apenas te exime da responsabilidade de tentar de novo e isso é mais tosco do que o Sidney Magal. 

Agora enxugue essas lágrimas, pegue de volta o restinho de dignidade que ainda te resta e vá viver sua vida sem botar a culpa no mordomo. Ou na Senhorita Rosa. Ou no Coronel Mostarda.

Escrito por: Marielle Zum Bach



10 2 / 2014

Se me perguntassem como é fazer 23 anos, eu responderia que é extamente igual a fazer 22, só que um ano depois. A verdade é que passar a data de aniversário não muda nada na sua vida, a não ser aquilo que você vai responder quando perguntarem a sua idade.

Me lembro direitinho de quando eu fiz 18, pensei que iam cair confetes do teto, uma chave de carro apareceria magicamente na minha mão e uma voz do Sílvio Santos vinda do além me diria que eu ganhei uma casa própria com móveis legais, o amor da minha vida, uma viagem pra Europa e um gato siamês. Nada disso aconteceu e eu tenho a suspeita de que a única coisa que realmente mudou é que a partir daí eu adquiri o direito irrevogável de ser presa.

image

Na verdade, eu acho que esse negócio de fazer aniversário é um pouco depressivo. Por alguma razão mística, quando vai chegando a data do meu aniversário, eu começo a ficar pensando sobre a minha vida e sobre todas as coisas que eu não já fiz. Começo a analisar uma lista criteriosa de super celebridades bem mais jovens que eu e isso me traz uma depressão e uma agonia de viver muito grande.

Como raios aquela Lorde é cinco anos mais nova que eu e já lidera a Billboard com mais de 200 mil cópias vendidas em uma única semana? A única coisa artística que já vendi na minha vida foi um desenho que fiz aos 8 anos, e foi a minha avó que comprou. Ele custou cinco reais. Justin Bieber, Miley Cyrus e todas essas pessoas polêmicas são mais novas que eu. A maior polêmica da minha vida foi ter largado a faculdade de Direito. So boring.

image

Fazer aniversário é uma coisa totamente superestimada pela sociedade. Especialmente quando você atinge uma idade onde você não vai acordar com brigadeiros e presentes pululando por todos os lados no fatídico dia. Antigamente eu também ganhava o direito mágico concedido pela minha mãe de cabular aula, o que era uma outra coisa boa.

Não que eu seja uma pessoa depressiva, mas por motivos cósmicos eu sempre fico ansiosa antes de uma data específica que, quando chega, não acontece absolutamente nada.

image

Não é exatamente um dia pior do que todos os outros. Eu até costumo ganhar um agrado ou outro, receber felicitações de todas as pessoas do mundo que eu nunca vi na vida (na verdade isso é meio que uma coisa chata, mas vá lá) e, no caso deste aniversário agora, em específico, me darei o direito de dormir até tarde e NÃO TRABALHAR! O fato de que o dia 16 de fevereiro cai num domingo, este ano, é um mero detalhe.

No mais, já agradeço os futuros “parabéns”, retribuo o “felicidades e sucesso” e “vida longa” a gente deseja a todazinimiga. Bjs, flw, vlw.

image

Postado por: Marielle Zum Bach



17 1 / 2014

Acabei de me formar em Jornalismo, agora no final do ano, e isso não é novidade para ninguém. ainda vou ter que pagar matéria, mas whatever. Mas pouca gente sabe que eu já cursei um ano de faculdade de Direito, antes de receber um anjo divino vindo do céu me dizendo “SAI DAÍ E VAI PRA COMUNICAÇÃO, MUIÉ”.

image

O motivo que me fez largar o curso foi: a minha necessidade incrivelmente grande de considerar subjetivo todo e qualquer julgamento feito por e sobre qualquer pessoa ou situação. Em suma: eu era uma chata da porra e nem eu me aguentava. Bom, chata da porra eu ainda sou, mas hoje eu até que me aguento.

Voltando ao assunto, eu sempre me senti no direito de julgar as coisas da forma como eu bem entendesse e sempre defendi o direito das outras pessoas me julgarem também (tendo eu, é claro, a prerrogativa de julgá-las por isso). 

Há pouco tempo, fiz um comentário JULGANDO a menina de Divinópolis (cidade onde moro), que foi parar no BBB, após assistir esse vídeo. O resultado, é claro, foi uma cachorrada de pseudo-amiguinha da dita cuja me JULGANDO invejosa e até questionando a minha inteligência (?).

Tenho certeza que, se a menina foi parar num programa exibicionista, fútil e narcisista como o Big Brother Brasil, ela escancarou as pernas a alma dela gritando a plenos pulmões:

_ ME VEJAM! ME JULGUEM! ME ADMIREM! ME ODEIEM!

image

Da mesma forma, eu posto minhas opiniões na minha página no Facebook e, agora também, no meu blog queridinho (EU  TPM SEMANAL) que voltou pra tristeza dazinimiga. Sim, também estou pedindo para ser JULGADA.

A verdade é que vivemos em um imenso tribunal onde julgamos e somos julgados por qualquer merda que fazemos. Então, queridinhas, parem de querer discutir o meu DIREITO de julgar, porque graças ao bom anjo ali de cima, eu não estou sentenciando ninguém à prisão perpétua ou anos de serviço comunitário. Vou continuar julgando as pessoas e vocês também vão continuar me julgando e assim o mundo continua. MOVE ON, BITCHES.

Não adianta querer colocar odem nesse tribunal porque eu estou fora de ordem, vocês estão fora de ordem, eles estão fora de ordem, o tribunal INTEIRO… está fora de ordem

image

 

PRONTO. AGORA ME JULGUEM.

Postado por: Marielle Zum Bach



10 1 / 2014

Se você está aqui pela primeira vez: muito prazer, nós somos o TPM Semanal.

Se você acompanhou a nossa história: seja bem-vindo ao TPM 2.0 - nós estamos voltando!

Em 2014, completamos 4 anos desde que decidimos escrever juntas - Alice, Carol, Malu e Marielle. A internet nos aproximou e nossa vontade de escrever nos fez dar vida ao TPM Semanal, que teve seus momentos de glória e também esteve por baixo. Passamos o ano passado inteiro desativadas, sem postagens. Falta de tempo, organização, enfim…

Mas estamos voltando! Pedimos a sua compreensão pois o momento é de “em obras”, tudo para melhorar pra vocês. Por favor, não nos deixem! Prometemos aqui seguir com esse trabalho que tanto gostamos e com certeza vocês não vão se arrepender. ;)

PS: Primeiramente, quem volta a escrever seremos eu (Alice) e Marielle.

Foi dada a largada para a nova temporada 2014!